x
Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Saiba mais
PT EN

APP LPCE

        

 

iOS                  Android

 

REDES SOCIAIS

         
 

Torne-se amigo da LPCE no facebook.

Siga os nosso conteúdos no YouTube.

Mensagem do Presidente

Caros associados e amigos,

 

A partir deste ano a 2ª segunda-feira do mês de Fevereiro, passou a ter um significado diferente. Quer te encontres no hemisfério norte, no hemisfério sul, a oeste ou a leste de Greenwich, tenhas as crenças que tiveres, sejas mulher ou homem. É o mesmo dia em todo o Mundo. É o Dia Mundial da Epilepsia e este ano, esse dia foi comemorado a 9 de Fevereiro.

Foi este o dia maioritariamente escolhido pelas organizações ligadas à epilepsia em todo o mundo. Na Europa, este dia era já o Dia Europeu da Epilepsia e esteve sempre muito relacionado com o Dia de São Valentim, personagem historicamente invocada pelos doentes que sofriam de epilepsia para sua proteção, surgindo como patrono da Epilepsia.

A importância de promover o conhecimento e a sensibilização pública para esta doença não pode ser subestimada.

 

A aprovação em 2011, no Parlamento Europeu, da Declaração Escrita de Epilepsia e o recente reconhecimento pela OMS da epilepsia como doença prioritária (ver em http://www.epilepsia.pt/pt/articles/oms-epilepsia-e-prioridade-mundial) necessitando de uma ação coordenada a nível de cada país, dirigida aos seus aspetos médicos, sociais e conhecimento público, faz-nos acreditar que iniciativas deste género podem contribuir de facto para melhorar a assistência clinica às pessoas que sofrem de epilepsia, bem como fomentar o investimento na investigação em epilepsia, nomeadamente no desenvolvimento de novos tratamentos ou em estratégias preventivas.

Espera-se que no próximo mês de Maio a Assembleia Geral da OMS proceda à ratificação da recomendação da sua comissão executiva (de 2 Fevereiro de 2015)

 

A campanha europeia “Epilepsia é mais do que ter crises”, vem também nessa linha de ação, direcionando-nos para duas realidades bem distintas:

A primeira, que felizmente abarca a maioria das pessoas com esta doença e onde -“epilepsia é mais do que ter crises” - terá que significar que existe muito mais vida para além das crises. Estes doentes o que ambicionam é esquecer que existe a doença. São por norma pessoas com epilepsia onde as crises se encontram já controladas embora mantendo uma medicação diária. Por isso e progressivamente vão retomando todas as tarefas quotidianas, incluindo a condução. A grande angústia é a sempre presente e imprevisível possibilidade de ocorrer uma nova crise. Em geral estas pessoas com epilepsia evitam a exposição preferindo não assumir publicamente a doença, estando a contribuir para o desconhecimento da doença. Em Portugal estima-se que existam cerca de 40 mil pessoas nestas circunstâncias.

A outra realidade dirige-nos para pessoas com formas mais graves de epilepsia (cerca de 20 mil pessoas em Portugal), onde - “epilepsia é mais do que ter crises” - significa haver infelizmente grandes condicionalismos para o exercício de uma vida ativa. Para além das crises estes doentes podem apresentar também problemas de aprendizagem, psicopatologia, problemas de relacionamento interpessoal, etc. havendo com frequência discriminação e exclusão social. Este grupo de doentes tem maior morbilidade e mortalidade e maior impacto em termos económicos, pela necessidade de recorrerem com mais frequência aos serviços de saúde.

Estabelecer um Dia Mundial de Epilepsia é enviar uma mensagem forte para toda a comunidade, que a epilepsia é uma doença global, requerendo ações a nível de cada país.

É objetivo da Liga Portuguesa Contra a Epilepsia, que em Portugal as autoridades de Saúde integrem rapidamente as recomendações da Comissão Europeia e da OMS.

 

Francisco Sales

20 de Abril de 2015

 

 

 
LPCE
powered by
Abril, 2017
DomSegTerQuaQuiSexSáb
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

 

 

 

  SPOT PUBLICITÁRIO

    

      O clip vencedor! 

Parceiros